Archive for the ‘finanças pessoais’ Category

Dinheiro não pode ser o objetivo

O dinheiro serve para comprar coisas, desenvolver projetos e até viabilizar sonhos. Mas o objetivo não pode ser simplesmente ganhar dinheiro, isto é, ele é consequência das atitudes e sucessos pessoais e coletivos e que levarão a uma situação de riqueza financeira (pequena ou grande) para concretizar os objetivos de curto e longo prazos.

Veja o exemplo do ex-bilionário Eike Batista, que em várias entrevistas, a menos de dois anos atrás, almejava ser o homem mais rico do mundo. Em entrevista ao Fantástico chegou a dizer “Eu sou como um compositor que faz uma música. As minhas notas, por acaso, são dinheiro”. Na época ele chegou a ser o sétimo mais rico do mundo com quase 35 bilhões de dólares e agora estimam que ele tenha menos de 100 milhões de dólares de patrimônio ou até que já esteja falido, considerando as dívidas e a manutenção de vasto patrimônio de luxo que ele está se desfazendo. Outros empresários bilionários como Bill Gates, Carlos Slim ou Warren Buffet nunca disseram, ou tinham como meta, querer ser o mais rico, e cada vez mais doam fortunas para instituições de pesquisa e ensino além de caridade, fora o histórico de não esbanjar dinheiro, pelo contrário (vale a pena pesquisar a vida deles).

Depois de sumir da mídia por quase um ano após o início da queda na bolsa das empresas, pela desconfiança do mercado e sinais que aos poucos foram mostrando a realidade da situação, ele reapareceu recentemente dizendo que foi enganado pelos ex-executivos… Quem poderia ser enganado é cada um dos milhares de investidores das empresas X que na maioria eram pessoas que quiseram tornar-se apenas ricas rapidamente como ele. Na minha opinião, caso não tenha sido má-fé, esta quase obsessão por dinheiro levou a sua perda de foco nos negócios das várias empresas, que ainda estão no nível pré-operacional (agora pré-falimentar). Eu, por exemplo, na minha carteira de ações com 30 empresas brasileiras na bolsa de valores, nunca comprei qualquer das empresas do Eike. Por isso que eu digo, é melhor subir todo dia um pouco do que arriscar a dar um passo maior do que pode e acabar caindo.

E a inflação?

Antes de mais nada, o que é inflação? A inflação é a queda do poder de compra do dinheiro. Na prática a inflação faz com que cada vez precisamos de mais dinheiro para comprar as mesmas coisas (aumento do custo de vida). Isto acontece porque a quantidade de dinheiro aumenta fazendo perder o valor da moeda em relação aos produtos e serviços que consumimos. Existe também a inflação particular dos bens e mercadorias que aumentam devido a escassez, aumento de custos ou aumento da demanda. Um exemplo foi o tomate no início do ano por problemas no clima. Estes eventos, cíclicos (sazonais) ou não,  geram uma escassez momentânea, que se for mais duradoura acabam gerando uma substituição de um produto por outro equivalente, algo como trocar uma fruta fora da estação por outra, ou trocar o petróleo por álcool ou eletricidade (desde que gerada por outro combustível) no futuro. Mas é natural e desejado que tenha inflação, sendo pequena, pois caso contrário estaríamos com a economia paralisada ou em depressão, podendo gerar a deflação, que indicaria baixa renda, portanto demanda reduzida para comprar devido a uma crise, por exemplo.

E de quanto é a inflação? Depende do ponto de vista… No Brasil temos alguns índices que são medidos mês a mês para dar um valor a inflação com o objetivo de reajustes de preços. Cada índice de inflação reflete a pesquisa de preços de uma cesta de produtos que são ponderados de acordo com a população alvo. Por exemplo, os mais usados são: o IPCA (famílias com renda de 1 até 40 salários mínimos em 11 regiões metropolitanas) calculado pelo IBGE e o IGP/M (60% do índice de preços no atacado, IPA + 30% do índice dos preços ao consumidor, IPC  + 10% do índice de preços de custos de construção, INCC) calculado pela FGV. Mas qual é a sua inflação? Sim, cada um tem a sua inflação. Como calcular? É só analisar as suas despesas, principalmente as fixas. As mensalidades de escola, o plano de saúde, as conta de manutenção da casa, o combustível ou gastos com transporte. A constatação que faço na minha é que todos os serviços que pago aumentaram muito mais que os índices oficiais, considerando o reajuste anual de preços. Como está a sua inflação? Solução para diminuir: só se for diminuindo a quantidade, pois nem sempre podemos substituir a marca ou produto como por exemplo no caso da água e energia elétrica. E o salário, ó!

Novos Juros, Nova Poupança

Não poderia deixar de falar sobre as mudanças na poupança feita pelo governo recentemente. Resumindo: a taxa fixa da remuneração que era de 0,5% passou a ser de 70% da SELIC quando esta estiver igual ou abaixo de 8,5%. E todo depósito na nova poupança (a partir de 4 de maio de 2012) terá prioridade de saque, mas você poderá requerer o contrário. Por exemplo: se você tiver uma poupança antiga, com aniversário no início do mês (até o dia 4) e tiver depositado um dinheiro no dia 7 de maio (nova poupança) e precisar sacar no dia 4 de junho, portanto antes do aniversário da nova poupança (dia 7), este dinheiro não terá nenhuma correção a não ser que você peça para resgatar da poupança antiga que já passou um mês. Ou seja, na prática esta será uma poupança separada, mesmo que os bancos tentem deixar transparente. Verifique qual a melhor alternativa antes de sacar no “automático” nos primeiros meses, até que você construa uma nova poupança com vários aniversários.

Espero que com a mudança na poupança tenha caído a ficha do investidor que os tempos são outros. Juros altos é coisa do passado. Solução (quem leu meu último post sabe): procurar novas alternativas na renda fixa como debêntures (com risco privado). Porém até estas alternativas começam a não compensar devido ao risco/retorno (pois as taxas irão baixar também). Então sobra a renda variável, como fundos imobiliários (que geram uma renda fixa isenta de IR, proveniente dos aluguéis) ou as ações na bolsa de valores de boas empresas, que também rendem dividendos conforme o lucro e a distribuição definida pela empresa (25% no minimo). Tem risco, portanto tem que avaliar bem os imóveis que representam cada fundo ou a empresa na bolsa.

Uma alternativa interessante são os ETFs (fundos de ações cotados na bolsa com baixa taxa de administração). E agora (até 4 de junho para reservar) o BNDESPar vai lançar um refletindo o índice ECO2 que será negociado como ECOO11 (taxa de 0,38% a.a.). A maioria dos bancos de varejo ofertará o produto, tanto na venda direta (via corretora) ou na forma de fundo com taxa adicional de 1%. A grande vantagem desta oferta é que terá uma opção de venda ao completar 1 ano (uma espécie de seguro para o caso da bolsa cair até lá). Não deixe de ler os detalhes do prospecto da oferta antes de investir no site do seu banco na parte de oferta pública de ativos na seção investimentos.

Caro ou barato?

Como comprar mais barato? Comprar em grande quantidade, naquelas embalagens do tipo leve 12 e pague 11 no supermercado? Não, faça a conta, é incrível como acontece o contrário: grandes embalagens cheia de produtos que deveriam ser mais baratos pois tem menos material de embalagem e você leva mais demorando pra consumir tudo. Cansei de fazer a conta e o melhor quase sempre era comprar 2 ou 3 conjuntos (caso queira comprar maior quantidade). Papel higiênico e fraldas descartáveis são exemplos mais comuns, mas fiquem atentos em qualquer produto que aparece em “promoção”. Exemplo recente de compra: a embalagem padrão de 4 rolos por 3,99 (logo, 12, 3×4 deveria ser menos de 12) saia a 14,00 por 12 rolos (mais de 2 reais mais caro)! E se não sabe ou quer fazer conta de cabeça, use a calculadora (seu celular tem).

Outro problema de comparar preço é o peso, e mais uma vez a indústria de produtos de consumo (principalmente alimentícios) vem reduzindo a quantidade de produto por embalagem sem reduzir o preço. Portanto faça a conta (neste caso a calculadora ajuda muito) para obter o preço por grama. Uma dúvida que tenho nesta prática é se os institutos de pesquida de preços fazem o cálculo da inflação levando em conta esta prática. Acho que não! Por isso a inflação na prática parece maior que os índices oficiais. E os nossos salários sobem depois baseado na inflação oficial, portanto o nosso poder compra ainda diminui, por isso fique de olho para não comprar mais caro.

Resumindo, além da lista de compras, leve uma calculadora para fazer as compras!

Dinheiro traz Felicidade?

Este mês saiu a notícia do casal canadense (Violet e Allen Large) que doou 11 milhões de dólares ganhos na loteria. “O dinheiro não compra a felicidade”, repetiu Allen, ex-soldador de 75 anos, explicando em entrevistas sua decisão de doar o dinheiro que “caiu do céu”. Como consideravam que não precisavam de nada e que o dinheiro não traz felicidade, fizeram uma lista na qual anotaram, além de membros de sua família, hospitais, serviços de bombeiros, igrejas, cemitérios e organizações beneficentes. Os Large guardaram para si 2% do prêmio, ou seja, cerca de 200 mil dólares.
Diferente dos inúmeros exemplos de pessoas mais novas que ganham fortunas na loteria e mudam a sua vida para pior depois de empregarem mal o dinheiro que veio fácil, este casal, fruto talvez da sabedoria dos anos bem vividos, resolveu dar um destino mais nobre a todo àquele dinheiro. Eles, já aposentados, não quiseram mudar a vida que levavam, fora o trabalho e a preocupação de administrar todo aquele patrimônio.
A maioria das pessoas mal conseguem administrar o próprio salário que recebem mensalmente, imagina então quando ganham uma quantia milhonária de uma só vez! Ah, mas é só colocar no banco numa aplicação segura e viver de renda, diriam esta mesma maioria. Falar é fácil, mas na prática quem não vai querer gastar, sem controle, parte da bolada, não vai sofrer pressão de pessoas próximas para o que fazer ou investir o dinheiro? Ser rico e continuar rico tem um custo.
Antes de jogar novamente na loteria pense no que fará com o dinheiro, ou melhor, aprenda a gerenciar o pouco que ganha todo mês, o décimo terceiro que está chegando, para saber o que fazer quando tiver a oportunidade de ganhar muito dinheiro. Não mude a sua vida apenas porque ficou rico, pois se não for bem administrado, será apenas uma fase temporária. E eu garanto que ficar pobre é bem pior que ser pobre, pois a grande maioria nasce nesta condição e prosperam com o trabalho e o conhecimento. Muitos artistas e pessoas que aparentam ter muito dinheiro vivem endividados apenas para manterem o padrão de vida que tinham no auge do sucesso, mas um dia será inevitável a aposentadoria.
Concluindo, dinheiro não traz felicidade, mas a falta dele pode trazer infelicidade. Valorize o seu dinheiro, poupe e invista para realizar os seus sonhos. Eu prefiro conquistar passo a passo a minha independência financeira do que me iludir em sorteios ou promessas de ganho rápido e fácil.

Custo Fixo ou Variável ?

Não sei quanto a vocês, mas eu sou contra o custo fixo, ele toma parte do nosso salário todo mês e pior, usando ou não o serviço a que este custo representa ele é cobrado assim mesmo. Mas o que é realmente o custo fixo? O melhor (ou pior) exemplo é o telefone! Seja fixo ou celular todo mês você tem que pagar a “mensalidade” pra ficar sócio do clube do telefone. Não precisa utilizar nenhuma vez no mês mas tá lá a cobrança, se usar algo fora do “normal” ainda é cobrado a mais, como por exemplo um interurbano. As empresas alegam a manutenção e tal, mas faz sentido pagar por algo que não utiliza? Por isso até hoje tenho celular pré-pago, que embora pareça custo variável, pois eu só compro crédito se for utilizar, com o vencimento deles acabo perdendo dinheiro e não posso demorar muito a colocar mais créditos senão perco a linha! No telefone fixo então? Ainda bem que achei um plano da minha operadora que acho um pouco mais justo: franquia de reais para utilizar em qualquer gasto seja local, interurbano ou celular e não de minutos (franquia mínima tradicional nunca era utilizada totalmente).
Nos investimentos também temos os custos fixos: nas ações a famigerada custódia, que felizmente muitas corretoras isentam o cliente caso opere no mês. Pra mim a corretagem é mais que suficiente, muito mais quando você só usa o homebroker da corretora. Aqueles tantos tipos análises e informações mais atrapalham quem ajudam, mas aí é assunto para outra coluna. Os fundos também tem o seu custo, a famosa taxa de administração, que agora, com os juros mais baixos, tem feito abater significativamente a rentabilidade.
Resumindo, evite ao máximo os custos fixos, e se for possível transforme-os em variáveis, como no caso do celular por exemplo. Claro que se você é um “ligador” devido a sua profissão, por exemplo, vale a pena pagar menos pelas ligações. Faça as contas e projete o resultado no futuro (um ano) para ver qual a vantagem de um ou outro caso. Veja se não tem um plano mais adequado para você na sua operadora ou na concorrente (use a portabilidade). Só não vale ficar parado pagando o que não usa. Aliás, você não tem alguma assinatura ou cartão que pode ser cancelado? As suas finanças agradecem!

Necessidade ou desejo?

Na minha época de estagiário, há muitos anos, o sonho de consumo de qualquer jovem da minha idade era ter um par de tênis, não um qualquer, mas um que chamasse a atenção, de marca. O meu sonho era um computador, mas isto é outra história… Hoje em dia mudou o objeto de desejo, subiu do pé para a mão: o celular! Seria isso apenas a transformação da sociedade com a evolução da tecnologia?
A cada dia (o meu e-mail está de prova) somos bombardeados com produtos inovadores ou simplesmente na moda, que a publicidade ajuda a vender. Mas eu sempre me pergunto: se o produto fosse tão bom e indispensável, precisaria de tanta propaganda? E te faço a seguinte pergunta: será que precisamos sempre do último modelo anunciado?
Estas reflexões não são para ficarmos deprimidos por consumir sem limites num planeta com dimensões finitas e recursos esgotáveis (esta também é outra história). O meu objetivo é lembrar que os nossos recursos financeiros também são excassos, tamanha é a oferta de produtos à disposição: carros, tvs ou celulares, só para citar alguns dos mais divulgados atualmente. No fundo todos: as montadoras de automóveis, os fabricantes de eletrônicos e os varejistas em geral disputam entre si a destinação do dinheiro que está no seu bolso para elas. Ou melhor, com o crédito, parte da sua renda é destinadas para estas empresas em parcelas, junto com os juros (bancos, não esqueci de vocês).
O que importa nesta história toda é: você consumidor e dono do seu dinheiro (para quem não tem dívidas) o que está fazendo? Você escolhe o que comprar, analisa o custo x benefício? Você pesquisa onde está mais barato e tem as melhores referências para o caso de algum problema na compra? Você procura pagar à vista com desconto (lembra da taxa de juros)? Você vende ou doa o que já não te serve ou está parado? Ou fica mofando ou vai simplesmente para o lixo (sabe se lá aonde vai parar)?
Saber como e no que será trocado o nosso dinheiro é tão ou mais importante do que ganhá-lo ou fazê-lo render. E não se esqueça: a verdadeira satisfação da compra está no que você usufrui dela e não na aquisição do produto ou serviço, pois esta é passageira, seja no celular, TV ou carro, até porque mês que vem pode estar sendo lançado um novo modelo!